segunda-feira, novembro 25, 2013

PORTUGAL, ESTE DESCONHECIDO

É de há longo tempo que conheço a profunda ignorância que reina no Continente europeu - e não somente na Europa - sobre este “jardim à beira-mar plantado” que se chama Portugal.

Na Itália, entre as pessoas menos informadas, embora não totalmente ignorantes, ouvi perguntas deste teor: “Em Portugal fala-se o francês, não é verdade”? À pergunta respondia com outra pergunta: “A Senhora (ou senhor) fala a língua italiana; por que razão os portugueses não devem falar a língua portuguesa?”
Em várias outras ocasiões tive de explicar que o português não é o espanhol e as afinidades desta língua com a nossa não estavam longe das afinidades do português com o italiano.

Mas isto eram insignificâncias. O verdadeiro desconhecimento da nação portuguesa manifestava-se noutros aspectos bem mais importantes com inexactidões que eu reputava inaceitáveis e, por vezes, ofensivas. Sempre protestei, corrigindo-as.
Todavia, o que em igual medida me desagradava era o silêncio do nosso corpo diplomático. Se Portugal é “esse desconhecido”, parte das culpas não caberá às nossas embaixadas espalhadas pelo mundo? Além das funções diplomáticas, não deveriam estar sempre atentas a corrigir, tanto quanto possível, a ignorância sobre o país que representam? Ou interessa somente os contratos comerciais, embora importantes?

Tive também a alegria de receber manifestações de surpresa de pessoas amigas e conhecidas que visitavam Portugal pela primeira vez. Esperavam visitar o país pobre e atrasado a que todos aludiam, porém, com agradável e grande surpresa, encontravam “um país civilizado, bonito, pessoas muito cordiais e atenciosas, comida excelente e a pobreza normal de um país normal” – esta é a síntese do que me diziam, e não creio que o fizessem por cortesia.

No artigo do eurodeputado Rui Tavares de quarta-feira passada (jornal Público, 20 Nov. 2013), o espanto obrigou-me a reler o primeiro parágrafo, a fim de ficar com a certeza de ter compreendido bem. Transcrevo-o:
“Segue-se uma história insólita, mas real. Há 24 horas, mais ou menos, recebi um funcionário de representação permanente de um país da Europa do Norte para tratar de um assunto relacionado com liberdades e Estado de Direito na União Europeia. No fim pediu-me para introduzir um assunto novo na nossa reunião e começou a falar sobre a preocupação do seu país com a Constituição e o Tribunal Constitucional português.”

Rui Tavares, obviamente, explicou-lhe o valor e o significado da Constituição portuguesa e do nosso Tribunal Constitucional.

Não fiquei só espantada com o atrevimento da preocupação daquele “funcionário de representação permanente”, mas muito mais com a sua impressionante ignorância. Se a nossa Constituição tanto preocupava o país donde provinha, era difícil à própria embaixada encontrar uma tradução do português e lê-la com a devida atenção, antes de emitir dúvidas e inquietações? Além disso, não sabem interpretar o valor e a função imprescindível de um Tribunal Constitucional num Estado democrático? 

Esses senhores lá do Norte da Europa orientam as suas acções e convicções políticas, baseando-se no que ouvem acerca de um qualquer Estado-membro da União? Não procuram verificar se essas vozes negativas, alarmistas ou superficiais correspondem à realidade? Ou Portugal é assim tão mísero e insignificante que tudo o que o apouque é sempre aceitável? Ou, ainda, a arrogância desses países não exprimirá um espírito de casta superior? Mas que ganhem juízo e bom senso!
Já satura o espírito dos tempos. Apenas o aspecto económico financeiro dignifica as nações, o resto é insignificante: o oscilante a esmagar valores inalienáveis, quando tudo deveria ser sensatamente equilibrado.

Atrás aludi ao que esperaria das nossas embaixadas. Contudo, os primeiros e máximos responsáveis são as altas instituições que jamais deveriam permitir humilhações e ofensas à dignidade do país que dirigem e de que são garante, esforçando-se por difundir, em acção permanente, um conhecimento daquilo que somos, no bom e no mau – sobretudo no bom e muito bom que existe. De caminho, e sem patrioteirismos contraproducentes, metamos também pelo meio a nossa História de nove séculos, uma das mais ricas da Europa.

Como ponto final, e sempre a propósito deste Portugal amesquinhado, não sei compreender nem aceitar o modus operandi da Comissão Europeia, do BCE, do FMI, a famosa Troika, e mito menos o do actual Governo português.
Certamente que devemos seguir normas que nos conduzam a uma consolidação do orçamento; certamente que devemos aceitar sacrifícios até atingirmos os fins desejados, porém, quem deve traçar as vias, a forma e a consistência dessas normas? Com qual direito os técnicos da Troika comandam, impõem, decidem? As instituições da União Europeia não têm o dever de discernir a diferença entre funções vigilantes e a lesão de uma soberania?

Perante as pretensões e intromissões da Troika, por qual razão o governo de um país soberano não deve opor um firme e decidido alto lá?
Fornecestes-nos financiamentos - que agradecemos - mas não nos financiastes gratuitamente, pois pagamos e pagaremos juros que não são de favor: uma taxa média de 3%. Acham pouco?!
Tudo faremos a fim de pormos em ordem as nossas contas (a bem do país, acima de tudo), todavia, será a nossa competência e profundo conhecimento do país que administramos, isto é, nós, o Governo português, o único que decidirá onde, como, o quê e quanto. Dar-vos-emos explicações do que decidirmos, mas as iniciativas são e serão exclusivamente nossas. 
Por que não existe esta coragem? Medo de quê? Que nos expliquem.

Portugal, este desconhecido, mas não é bem assim. É um Portugal infeliz que está nas mãos de quem nos humilha perante os economicamente mais fortes e de quem vende a dignidade do próprio país a troco de finalidades que nada têm que ver com o país geral, mas com o que dentro dele o infecta.  

2 Comments:

At 5:39 da tarde, Blogger Beatriz Correia said...

Bravo Alda. Consolei-me a ler o que primorosamente escreveu.Doi a maneira como tratam a nossa linda Pátria e a sua gloriosa História.
Deixá-los:dos pobres de espírito será o Reino dos céus?Hum.......

 
At 5:55 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

o Reino dos Céus para estes pobres de espírito?! Iriam estragar tudo lá por aquelas paragens. Que fiquem cá pela Terra, a fim de termos oportunidade de mandá-los para diabo de vez em quando.

Um beijinho e grata pela paciência de me ler e pelo seu comentário
Alda

 

Enviar um comentário

<< Home