segunda-feira, novembro 08, 2010

ERRARAM A NÃO CONCEDER-LHE O NOBEL DA PAZ

Novos pormenores e novas circunstâncias do escândalo Berlusconi; novos aspectos cómico-indecentes e novas aldrabices despudoradas levaram-me a transgredir o que me tinha imposto: não mais perder tempo e espaço, escrevendo sobre o primeiro-ministro italiano.
Porém, como se pode manter este propósito se aquele indivíduo é caso ímpar e inimitável (assim o espero) nas democracias europeias?
Mais ainda: como não assinalar a importância dos sucessos ininterruptos das suas intervenções e acções de “grande político”? Mas destes prodígios falaremos mais adiante.

O que muito me tem impressionado, e divertido, são as argumentações de Berlusconi, dos membros e gregários das facções de Governo, além dos mercenários que trabalham nos jornais de família. E sobre estes, dado o peculiar modo agressivamente faccioso e subserviente como desenvolvem o seu ofício, justifica-se mais o atributo mercenários que a qualificação de jornalistas.

Na última conferência de imprensa, no passado dia 5, Berlusconi declarou com a ênfase em que é mestre: “Não conheço ninguém que esteja à altura da situação mais do que Sílvio Berlusconi, até mesmo como capacidade de resistir às tantas acusações que, de há excessivo tempo, me dirigem”.

Resumindo: tudo são calúnias, tudo é lama que lhe lançam os inimigos de esquerda e magistratura; desconfia mesmo de um complô da máfia.

“Se ele, Berlusconi, interveio a favor da prostituta marroquina, foi um acto de pura generosidade. Ela expôs-lhe uma «situação trágica» em que se encontrava e sem recursos. O seu grande coração está sempre pronto a ajudar quem necessita”.
Abro um parêntese sobre o vocábulo prostituta. Quando o meretrício decorre em palacetes privados e não pelas ruas, a prostituta é uma escort. Como é óbvio, esta singularidade tem dado azo a todo o género de sarcasmos.

“Foi a rapariga que disse ser parente de Mubarak e ele acreditou, assim como desconhecia a menoridade da pessoa em causa.”
Bondade ilimitada que despreza saber quem mete em casa!
“Se gosta de mulheres, houve outros políticos ilustres que se demarcaram nesse aspecto: Kennedy, e Clinton, por exemplo”.
Logo, não se vê a razão de tanto barulho!...

Como estas, outras arengas que se encaixam no que, em Itália, costumam dizer: “trepar sobre espelhos”, isto é, nada de convincente a que agarrar-se. Como seria belo o silêncio!

O “Comité Parlamentar para a segurança da República” (Copasir), órgão do Parlamento italiano com a função de controlar os serviços secretos (não controlar o Parlamento, como erroneamente escreveu o Público) e cujo presidente é eleito entre os componentes da oposição, exigiu explicações de Berlusconi.
O afluxo incontrolado de mulheres contratadas para as festas nas residências de um chefe de governo levanta problemas de segurança, além de proporcionar ocasiões de ser chantageado pelas hóspedes a pagamento.
Foi o presidente do Copasir, D’Alema, que solicitou a presença do primeiro-ministro e os devidos esclarecimentos sobre a sua conduta leviana.
Mas Berlusconi não se apresentará, pois desconhece o respeito pelas instituições. Aliás, já precedentemente desertara uma outra convocação.

E a democracia italiana continua a ser ferida por todo o género de ofensas, geradas por um populismo bem propagandeado pelos potentes meios mediáticos, económicos e políticos de Berlusconi. Oxalá que, finalmente, a maioria dos eleitores se desintoxique deste veneno.

Se bem que, como se poderá dispensar o maior primeiro-ministro de todos os tempos – de há 150 anos a esta parte - o mais iluminado diplomata da actualidade?!

Muito ironicamente, alguém tem opinado que um Nobel da Paz deveria ter sido atribuído a este político italiano. Ninguém como ele fez tanto pela resolução de graves problemas internacionais.
Alinho nessa deploração. Perante as suas intervenções famosas e façanhudas, em Oslo, dormiam?

Vejamos, então, os prodígios do grande diplomata e intermediário que é Berlusconi e cujos méritos foram dados a conhecer, em reboantes declarações públicas, pelo próprio.

Foi ele quem salvou os bancos americanos do precipício, convencendo Obama a levar a cabo o maior programa de ajudas da História americana”.
Mas que galga! Como a teria comentado Obama e conselheiros? Imaginamos!
Foi ele que salvou a vida ao presidente da Geórgia, Saakashvili, e evitou que a Rússia entrasse em guerra com aquele país, convencendo Putin a não atacar o inimigo”. Uma espontânea gargalhada torna-se irreprimível.
Saakashvili desmentiu e comentou: “Quanto às palavras de Berlusconi, posso apenas confirmar que é muito amigo de Putin”.
Foi ele que favoreceu a aproximação de Obama ao Kremlin, levando-o a assinar o tratado para a limitação de armas nucleares com Putin, antes do G8 de Aquila”.
Não calculou bem as datas – percalço normal dos mitómanos. “O Start 2 foi assinado por Medved e não Putin, em Abril deste ano, nove meses após o vértice de Aquila”.
Que teriam dito os interessados? Permitido dar via livre á imaginação.
A Nato foi salva, graças à intervenção de Berlusconi. Naquele famoso telefonema persuadiu o presidente turco Erdogan a não levantar problemas sobre a candidatura de Rasmussen a Secretário-Geral da Nato.
Assim como a questão do projecto do gasoduto South Stream ficou resolvida, quando Berlusconi convenceu Erdogan e Putin a selar o acordo com um aperto de mão”.

Fiquemo-nos por aqui e não entremos nas fanfarronices internas sobre as façanhas imaginárias do seu governo: nem vinte páginas chegariam.

O mais caricato, ou o mais triste, é que aquele homem vangloria-se de todas estas balelas com uma naturalidade e convicção que é bem certo o que disse o grande jornalista Indro Montanelli: “Berlusconi é um mentiroso nato. O pior é que acredita mesmo no que diz”.
Alda M. Maia

6 Comments:

At 11:13 da tarde, Blogger Benjamina said...

Olá D. Alda
Tem um "selo" para este blogue lá no Armazém de Pedacinhos, pois acho que este blogue se enquadra no espírito do prémio, por isso aqui esta fica a recordação. Um abraço :)

 
At 8:34 da tarde, Blogger as-nunes said...

Viva, Alda

De quando em vez deixo aqui um rasto mais visível da minha passagem.

Claro, como sempre, os seus textos são excelentes, do ponto de vista literário e, naturalmente, da oportunidade dos temas que aborda.

A parte final deste seu artigo, então, está um primor. Pelo que podemos observar ao longo da vida, não podemos sequer pôr em causa a sua conclusão: de tanto mentir, despudoradamente, há muito boa gente que até se consegue auto-convencer que tudo aquilo que afirma é verdadeiro. E temos variadíssimos exemplos a todos os níveis.

O que é triste e lamentável é que, entretanto, muitos de nós vamos caindo em algumas esparrelas!

Abraço amigo
António

 
At 6:31 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

Boa tarde, Nelinha

Já deixei mensagem de agradecimento no seu blogue. O selo é lindo e o ter-se recordado deste cantinho, mais lindo ainda.

De novo, muitíssimo obrigada.
Um beijinho
Alda

 
At 6:38 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

Como tem passado, António?

E os seus comentários deixam-me sempre com um gosto agradabilíssimo. Pelo menos confirma-me que não aborreço quem perde tempo a ler-me.

Agradeço-lhe sinceramente a gentileza das suas opiniões.

leu o post precedente? Não lhe deu vontade de rir?

Um abraço de muita estima e um beijinho à zaida
Alda

 
At 3:44 da tarde, Blogger Teresa Fidalgo said...

Viva D. Alda,

... este vírus tem-se propagado, a passos largos, pelo mundo... pelo menos pela Europa, mas, de facto, Berlusconi é o mestre!

Depois e enquanto lia este texto, não sabia se havia de rir se havia de chorar, tantas são as barbaridades.


... É assustador saber que ele é o pm italiano!

Excelente texto!

Um beijinho

 
At 2:38 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

É melhor rir, Maria Teresa.

Nestes casos, repito, o ridículo abafa quaisquer outras reacções, excepto as gargalhadas.

Quando é que a Itália se verá livre daquilo?!

Um beijinho
Alda

 

Enviar um comentário

<< Home