domingo, agosto 27, 2006

D’ APRÈS CAMÕES

Sem armas os barões assinalados,
Que nestas ocidentais praias lusitanas,
Por caminhos nunca antes pisados,
Passaram indo além da traquitana,
E em inaugurações e mesas aparelhadas,
Entre as gentes postas de pescada arrotaram,
Que nesta nossa república já nada sublimaram;

E também as memórias ingloriosas
Daqueles homens que foram delapidando
A fé na administração virtuosa das terras
Do Minho ao Algarve que andaram devastando;
E aqueles que por obras indecorosas
Se vão da lei da decência libertando
- Cantando espalharei por toda a parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte

Hoje tive tentações de me divertir, aproveitando-me das duas primeiras estrofes de “Os Lusíadas” para este post. É também uma pequena vingançazinha sobre estas mesmas estrofes que me fizeram suar frio, quando, in illo tempore, o examinador me pediu a análise sintáctica, já não sei de quais versos.
Mas vamos à razão principal por que me sentei aqui para conversar com o computador
********
ARROGÂNCIAS E INEFICIÊNCIAS

Se todos tivessem o bom hábito de manifestar, com bom senso e equilíbrio, a reprovação dos abusos, anomalias, arrogâncias e incapacidades da administração pública, o País subiria, indubitavelmente, nas craveiras do civismo, progresso e seriedade.

Eis um caso, entre milhares.
Executam-se obras, construindo ou reestruturando edifícios numa cidade. Colocam-se os tapumes e, segundo a norma, ocupam a parte dos passeios correspondente a esses edifícios.
Segundo creio, é de lei criar uma passagem protegida, a fim que os peões não devam caminhar no meio do trânsito.

Aqui, em Vila Nova de Famalicão, são raríssimas as empresas que observam esta regra. Assim, inconscientemente, caminha-se de mistura com toda a espécie de veículos.
Chega um dia que o perigo se apresenta: um grande camião das obras aparcado paralelo ao tapume, o peão fica entalado entre o camião e os automóveis que circulam nos dois sentidos e que, naquele momento, anulam qualquer espaço que facilite a fuga do peão de um iminente atropelamento. O susto é tremendo!
Indignado – e tardiamente consciente do perigo daquele estado de coisas - dirige-se à Câmara Municipal, ali próxima.

Qualquer reclamação deve pagar uma taxa de 25 a 26 euros, informam. Não concorda, obviamente, pois foi apenas apontar uma grave falha dos serviços da Câmara.
Fala com a PSP, visto também ser uma questão de trânsito. No dia 29 de Julho, envia um exposto à Polícia e, para conhecimento, ao Presidente da Câmara.
Hoje, 27 de Agosto, tudo como antes. Ah! esquecia-me: o novo edifício de que se fala pertence aos serviços sociais da Câmara Municipal de V. N. de Famalicão. O Sr. Presidente já lá foi visitar as obras, segundo me informaram, mas devo deduzir que é pouco conhecedor das regras que protegem a incolumidade dos seus munícipes.

Um curso ad hoc – mesmo aqueles de “aprendizagem em trinta dias” - para qualquer candidato à presidência das Câmaras Municipais, reclama-se; necessita-se urgentemente.
Alda M. Maia
.
Errata:
onde escrevo: "o novo edifício de que se fala pertence aos serviços sociais da Câmara Municipal de V. N. de Famalicão" , a informação é errada. Corrijo:
O edifício é a nova sede da Associação Cultural e Beneficente (ACB) dos trsbalhadores do Município de V. N. de Famalicão

4 Comments:

At 8:13 da tarde, Blogger Danielik said...

Ai Camões, Camões... o quão me fizeste adormecer enquanto eu lia a tua poderosíssima obra "Os Lusíadas".
De facto, "Os Lusíadas" não é uma obra que faz parte dos meus gostos literários. Praticamente tive de o ler "à força" quando andava no ensino básico e secundário.
Apesar disso, considero que a criação dessa obra épica constitui motivo de orgulho do povo português, nomeadamente as comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo.
Uma beijoca! :)

 
At 3:18 da manhã, Blogger aavozaida said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 
At 3:21 da manhã, Blogger asn said...

Vamos por partes:
1) pois, pois, fale-se em Camões, apele-se a que se escreva português escorreito, minimamente já que não se pode pedir mais, sem erros gramaticais, ç em vem de s ou de c, acentos trocados, enfim, uma bandalheira. O caso é que mesmo com a liberdade e alguma lbertinagem que anda por alguns blogues (blogs?)cada bloguista devia ter em atenção que os seus posts estão a ser integrados instantaneamente numa base de dados Google que fica à imediata consulta de quem quer que seja em qualquer parte do mundo. Todos temos o dever de cuidar dos conteúdos e da forma de apresentar qualquer publicação na Net.
Ou seja, há quem ande na Net a publicar prosa e verso como se estivesse a partir pedra à marretada. É preciso haver consciência da importância da informação que se publica.
Para já não falar dos plágios infames, quer em títulos quer noutras formas. Tenha-se ao menos o cuidado de referir a identificação dos autores do original.
2) A questão das reclamações é um caso praticamente perdido. As mais da vezes quem reclama ainda é recriminado e, não poucas vezes, é mesmo colocado na lista negra das "autoridades" contestadas. Demasiadas vezes! ...
Cá vamos andando...
António/atónito às vezes

 
At 6:46 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

Boa tarde, António!
Vim aqui e deparei com o seu comentário. Está a ouvir as palmas! Estou a batê-las com um ribombante "apoiado!"
Não se escandalizou com a minha paráfrase do nosso Camões, pois não?
Sei aonde quis chegar. Ontem fizeram-me descobrir uma sua intervenção; pode crer que lhe fiquei muito, muito, mas muito grata.
Um abraço a toda a Família
Alda

 

Enviar um comentário

<< Home