domingo, julho 04, 2010

RADIOAMADOR: CURIOSIDADES E BELEZA DESTE PASSATEMPO
*

*****
Exactamente como me aconteceu a semana passada, revendo e dando uma nova ordem ao que considero os meus “tesouros”, desta vez a atenção perdeu-se nas centenas de cartões de QSL, recebidos de todas as partes do Mundo e das mais variadas personagens com a mesma paixão: o radioamadorismo.

Como consequência, em vez de encaminhar-me para “conversas” sobre assuntos que fazem reflectir, preferi deixar-me seduzir pelas relembranças. E sendo assim…

Chama-se QSL o cartão a que eu chamaria “bilhete de identidade” de um radioamador.
Sempre que, pela primeira vez, contactamos um colega procedemos ao envio do nosso cartão pessoal (QSL), confirmando a data, hora e condições de transmissão desse contacto (QSO). O envio pode ser directo ou através das nossas respectivas associações.

Todos os países concedem diplomas, mediante certas condições e sempre baseadas na confirmação dos contactos entre radioamadores dos vários países, de recantos longínquos, de ilhas perdidas nos Oceanos; contactos estes que se comprovam com os cartões recebidos, obviamente.

A obtenção desses diplomas – desde os mais acessíveis aos mais difíceis - são os nossos troféus, as nossas coroas de glória.

Neste momento, olho a parede que me está à esquerda e vejo os troféus mais importantes - sejam perdoadas a vaidade e gabarolice!
Estão ali as provas dos contactos com todo o Pacífico, toda a África, toda a Ásia, toda a Europa, todos os States da América, a Antárctida, Commonwealth, o Mediterrâneo, diplomas russos, “Diplome d’Excellence de l’Union Française”, todos os Continentes, etc., etc., etc.

Não quero esquecer o pior de todos, pelo menos para mim: contactar as 40 zonas em que dividiram os cinco continentes e oceanos e em cada uma das cinco bandas de radiofrequência concedidas aos radioamadores: 5 Band WAZ, diploma conferido pela “revista CQ (The Radio Amateur's Journal) - diploma n.º 28, 13 Agosto 1980. *

Não menos precioso uma placa, muito bonita, sempre concedida pela associação americana, premiando o contacto com não menos de cem países e sempre em cada uma das cinco bandas: 5 B DXCC: placa n.º 1018, 7 Abril 1981.

Relativamente ao modo de operarmos, é interessante e provoca sempre uma sensação agradabilíssima, lançarmos uma chamada geral e responderem-nos dos mais inesperados pontos da terra. Aliás, já aqui me expressei sobre esta faceta.
Ou, então, surgir uma chamada, na frequência onde transmitimos, de quem menos esperaríamos.

O cartão acima reproduzido (o reverso) é do rei Hussein da Jordânia. Naquele período, era o único e sumo radioamador daquele país. Logo, uma raridade e, dada a importância da personagem, uma preciosidade duplamente desejada.

Um dia, ao fim da tarde, fazia provas de um microfone que me parecia defeituoso, identificando-me. A um certo momento, ouvi que me chamavam: I1YG. Como havia interferências (QRM), não compreendi bem o indicativo de quem me chamava e respondi, convencida que se tratava de uma estação alemã.
Todos os países têm o seu próprio prefixo. O de Portugal, por exemplo, é CT; da Itália, I1/2/3, etc. Cada radioamador tem o sufixo que o identifica.

Iniciei com os preliminares usuais: o meu nome, localidade (QTH), tabela das condições de escuta da estação com quem falava, e por aí adiante. Passei o microfone ao meu correspondente.

Resposta da outra parte: Here is JY1 (um rei não necessita de sufixo!). My name is Hussein, my QTH Hamman, Jordan. Recordo que acentuou bem a localidade: Amman.

A este ponto dei um salto na cadeira! Tudo esperaria, menos que o falecido rei Hussein chamasse I1YG, quando havia centenas de radioamadores, dotados de potentíssimas aparelhagens, que o não deixavam em paz, sempre que assomava às radiofrequências amadorísticas e tornava-se dificílimo contactá-lo.

Imediatamente lhe enviei o meu cartão via directa. Respondeu-me, também directamente, escrevendo no próprio cartão frases muito gentis.
Repito, cartão duplamente apreciado e estimado.

Mas não ficamos por aqui com as “altezas reais”.
Depois de vários contactos com a Malásia, não havia forma de receber qualquer confirmação daquele país. Contactei uma nova estação, cujo indicativo era 9M2TR. Aproveitai para lamentar a falta de correcção dos radioamadores malaios, pois tinham o péssimo costume e má educação de não confirmar os contactos.

O senhor convidou-me a enviar-lhe o meu cartão directamente. Assim fiz.
Foi rapidíssimo na resposta, com muitos 73’s e um 88 (tradução: 73 significa cumprimentos; 88, para as senhoras, um beijo).
Nome do radioamador: Sua Alteza Tunku A. Rahman. Seguem-se umas iniciais, pouco claras, que não sei interpretar
Ri-me divertida pelo meu directo protesto, nada suave, contra os colegas seus compatriotas e talvez súbditos. Mas não se ofendeu.

Recordo um outro contacto simpático, conversação muito afável, também com o já sólito coroado, mas da Arábia Saudita. Tratava-se de H. R. H. Prince Jalal Al Saud que operava com o indicativo de HZ1TA.

Mas regressemos à gente comum.
Há uns bons anos atrás, havia poucas senhoras radioamadoras, excepto nos Estados Unidos.

Quando tínhamos oportunidade de encontrar outra colega, estabelecia-se imediatamente uma grande cordialidade.
Um dia chamou-me uma voz, vinda da Inglaterra. Era uma voz que poderia pertnecer a um lindo meio-soprano. Respondi com grande satisfação, manifestando o meu agrado, pois nunca tinha contactado uma senhora inglesa.

Quando a “senhora” radioamadora inglesa tomou o microfone, com um evidente sentido do humor, iniciou deste modo: OK, Alda, my name is Peeeeeter!
E prosseguiu - sem outras referências, pois fora claro - indicando o local donde transmitia e demais temas das normais conversações entre radioamadores.

Enquanto o escutava, cogitava sobre o modo como iria “descalçar a bota” e sair da gafe cometida. Mas que gafe!!
Muito simples: fiz de conta que não houvera gafe nenhuma e retomei a conversa com naturalidade, abdicando de inúteis explicações que só iriam agravar a situação.

Fico-me por aqui. Se continuasse, são tantos os episódios divertidos e curiosos que me assaltam a memória que se torna mesmo necessário pôr-lhes travão.

Como nota final, aproveito para enviar um cordialíssimo 73 a CT1CIR – titular do http://www.dispersamente.blogspot.com/ - e um repenicado 88 à XYL (esposa), Zaida.
Alda M. Maia
****
.
PS *
Já corrigi o erro, acima indicado com um asterisco. Os diplomas Waz e 5BWAZ são concedidos pela revista CQ - The Radio Amateur's Journal e não pela American Radio Relay League, como incorrectamente escrevera.
Um lapso imperdoável, pois o diploma está ali encaixilhado e bem visível.

7 Comments:

At 9:50 da tarde, Blogger as-nunes said...

QSL, Y1YG

Muito bem, muito me conta. Com que então é só uma radioamadora vulgar, sem grandes pergaminhos a realçar?
Esse diploma das 5Bandas DXCC não é para toda a gente, assim muitos dos outros que referiu.
As interessantes histórias que conta à roda das nossas "proezas" nos tempos românticos do radioamadorismo são mesmo de recordar com saudade e com emoção, presumo eu.
De todos os personagens interessantes com quem contactei só posso referir-me ao falecido Rei Hussein.
Claro, também tenho as minhas histórias, mas nada comparáveis com as suas, a não ser as datas a que se refere. Os anos 80 também foram, para mim, os anos de ouro da minha actividade como radioamador.

A propósito, já recebeu o novo cartão da ANACOM. É bonito!

Claro que a Zaida teve que ouvir e ler a última parte do seu maravilhoso post.

Um grande 73 e 88 da Zaida
António

 
At 2:42 da manhã, Blogger Rony - PS7AB (Radioamador) said...

Olá Vó Alda.
Belíssimo relato.
A Sra é uma pessoa espetacular.
Tudo de bom!
Rony (PS7AB) e Maria Luisa
www.ps7abrony.com.br

 
At 3:11 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

Como está, CT1CIR?

Desta vez falamos entre radioamadores, portanto, refiramo-nos aos nossos indicativos ou nominativos.

Se quer que lhe diga, António, diariamente me pergunto por qual razão ainda não fiz instalar a minha velha TA33 e não recomecei a atroar os “airinhos” com o CT1YG! Devo decidir-me, pois a paixão está sempre viva.

Não dê grande importância ao 5BDXCC, porque o pior de todos é o 5BWAZ. E é o pior devido a certas zonas dificílimas de contactar. Em 40 e 80 metros, então, a fadiga e paciência são titânicas, sobretudo para quem vive na cidade e não pode instalar antenas eficazes.
Ah! Esqueci-me dizer que cheguei ao Honor Roll. Não o tendo actualizado, com o aumento de novos países não sei como está a situação.

Quanto à ANACOM, refere-se ao cartãozinho que enviaram e que substitui todos os outros documentos?

Um grande abraço e um beijinho à Zaida
Alda

 
At 3:21 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

Viva PS7AB!

Estava bem longe de esperar ser lida na cidade de Natal, logo, por um colega PY7!!

Muitíssimo grata pelo seu comentário, isto é, pela simpatia das suas palavras. Não me resta que enviar-vos um grande abraço: ao colega e à Maria Luísa.

Fui ao seu blogue, mas tem sido preguiçoso, não tem? O último post é de Janeiro.
Já tomei nota do seu site
Até breve
Alda

 
At 9:35 da tarde, Blogger Teresa Fidalgo said...

D. Alda,

Eu já fui ouvindo algumas histórias, bem interessantes, que me foi contando. Confesso que nunca consegui perceber muito bem como tudo isto se processava. A certeza, contudo, que não foi pela falta de capacidade de explicação da D. Alda que é sempre claríssima, mas sim pela minha incapacidade...


Talvez só mesmo os radioamadores entendam na perfeição o que diz. No entanto, mesmo para quem não percebe nada "da poda", como é o meu caso, as histórias são deliciosas.


Um beijinho

PS - o mesmo entusiasmo tem demonstrado com as t+técnicas modernas, o que é óptimo.

 
At 6:06 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

Teresinha

Já escrevi uma resposta ao teu comentário e não foi aceite. Teimando, vejamos se agora passa. Nem sempre compreendo estes mecanismos!

Dizia que, na próxima quarta-feira, te explicarei o que te parece complicado. E dizia também que, num próximo futuro, quem sabe se não te conduzirei a ingressar no radioamadorismo.

Um beijinho
Alda

 
At 10:48 da manhã, Blogger as-nunes said...

Roger, Roger Y1IG ou CT1YG

Pode contar com a minha possível colaboração para trazermos a Teresa Fidalgo para as bandas de amador!

eheheh

Acho um piadão quando falamos à maior parte das pessoas não ligadas de facto ao radioamadorismo e vê-las com muita dificuldade em perceber-nos. Depois começam a pensar. Coitadinho, deve estar maluquinho!
É um encanto observar estas reacções e aceitá-las com uma QSY para outros assuntos mais terrenos!
eheh

Um grande 73 extensivos à nossa (se me é permitido incluí-la neste rol virtual) Teresa Fidalgo.

Ah quanto ao colega colega Brasileiro, PS7AB, também lá vou dar uma espreitadela ao site. Também tenho um, há muitos anos. Lá está em standbye nem sei há quanto tempo! (www.qsl.net/ct1cir)

António

 

Enviar um comentário

<< Home