sábado, outubro 08, 2005

INGERÊNCIAS DO VATICANO NA POLÍTICA ITALIANA

No jornal La Repubblica, de 30 de Setembro, um editorial de Eugénio Scalfari (fundador deste quotidiano), saiu com o título: “Por qual razão o Cardeal Ruini não se torna senador?”

Trata-se de um artigo, muito severo, sobre a ingerência, cada vez mais acentuada e frequente, da Igreja Católica nas decisões políticas italianas.

Depois de defender a missão da Igreja e o direito que esta tem de expressar e difundir a doutrina, princípios e pontos de vista do seu apostolado, a um certo ponto, Eugénio Scalfari escreve: “Se os seus bispos entram no âmago da política (o que lhes é vedado), prescrevendo a abstenção do voto num referendo, indicando os modos da articulação das leis, declarando a inconstitucionalidade de outras, censurando actos jurídicos como as escutas telefónicas dispostas pelos Procuradores da República, afixando cartazes de propaganda nas igrejas relativamente a participação ou abstenção de referendos e deixando ali esses cartazes mesmo no dia das votações (…) O melhor, então, é vê-los sentados nos bancos da Câmara ou do Senado”(...)

O Cardeal Camillo Ruini é o presidente da Conferência Episcopal Italiana e a personagem que mais se tem evidenciado no autoritarismo doutrinário. No que concerne ao referendo sobre a procriação medicamente assistida, de Fevereiro passado, decretou que não seria um bom católico quem fosse votar. Não se esforçou por explicar e rebater a doutrina da Igreja católica e confiar na firmeza desses princípios. Achou mais seguro impor a abstenção!...

Ultimamente, Romano Prodi, o líder da oposição e fervente católico, anunciou que, no caso de vitória nas próximas eleições, apresentaria uma lei que salvaguardasse os direitos das uniões de facto, heterossexuais e homossexuais: PACS - pacto civil de solidariedade.
Começando pelo “Oservatore Romano”, onde se lia, pouco elegantemente, que Romano Prodi, "para obter votos, não se importava de lacerar a família", seguiram-se-lhe os brados do clero conservador. Muito pouco apostólicos e intransigentemente impositivos. Vejamos.
Não se admitem matrimónios de série B; na constituição está clara a referência e defesa de uniões de pessoas de sexo diferente, portanto há um só matrimónio e sacro; a política deve pensar na verdadeira família; os católicos que votam estas leis cometem pecado mortal, etc., etc., etc.

Quando se alude à homossexualidade, a Igreja entra em paranóia. Mais correctamente, não a Igreja, mas os homens que a representam. O cristianismo, para eles, transfigurou-se em formulário de intransigências.

Compreensão, caridade, tolerância, diálogo, amor ao próximo, o respeito pelas convicções discordantes, todos estas concepções, onde é que a Igreja Católica as coloca?!

Penso que o “pacto civil de solidariedade” não é somente oportuno, mas também índice de grande civismo. Não tem nada que ver com matrimónios homossexuais nem com matrimónios de série B; apenas garantem direitos que espelham humanidade, abolindo discriminações e sem prejudicar, minimamente, o conceito de família.

Em toda esta polémica, o que mais me atingiu foi a indecorosa - além da falta de sentido da autoridade e independência de um estado laico - daqueles políticos que, servilmente e com um oportunismo despudorado, atacaram Romano Prodi e o centro-esquerda.
Aplaudiram o Cardeal Ruini, não por convicção, pois sabe-se de sobejo, e salvo raras excepções, que são uns consumados hipócritas; não com o escopo de alimentar um correcto diálogo com a Igreja, o que seria sempre aconselhável (um bom entendimento de “uma livre igreja num estado livre”); simplesmente, e como único fim, a captação dos votos católicos! Nauseantes!

Divertiu-me, sobremaneira, o fervor de Casini, Presidente da Câmara dos Deputados e aliado de Berlusconi, a defender a sacralidade da Família – a família como a entende a Igreja Católica, esclareça-se.
Ora bem, este senhor é divorciado, casado de novo e com prole da segunda mulher. Na minha opinião, e na opinião corrente, a sua situação é perfeitamente normal e correcta. Mas perante o conceito sacramental de família do Vaticano??...
É já um lugar-comum afirmá-lo, porém, a cara de grande parte da gente política é mesmo de lata! Autentiche facce di bronzo!!! (autênticas caras de bronze, expressão muito italiana).
Alda Maia










1 Comments:

At 5:01 da manhã, Blogger Shopper said...

How Many Feeds Really Matter: Part 2
Today at Web 2.0, Jim Lanzone, Senior Vice President of Search Properties at Ask Jeeves, updated his "What Feeds Matter" blog post from July using some new numbers obtained by mining the Bloglines database.
You have a great blog here. I don't maintain a good blog, but I do run a home furnishings site. It highlights quality home furnishings, apparel and gift sites. Stop by when you have a chance.

 

Enviar um comentário

<< Home