quinta-feira, junho 22, 2006

O PODER CORROMPE?

Esta seria uma pergunta retórica, pois bem sabemos que a corrupção é inerente ao poder. Apresentemo-la doutra forma: as pessoas honestas, entrando na esfera do poder, vêem obstáculos à continuação da própria seriedade?

A resposta é quase óbvia: é-lhes difícil manter os ouvidos surdos aos mais diversos cantos de sereia dos corruptores, disso não tenho a mínima dúvida.

Lobbies bem organizados, o amigo dos amigos, os parentes ou amigos de parentes, colaboradores, é bem previsível este género de legiões que se põem em marcha e se lançam ao ataque.

Há também outro aspecto a considerar. Ter nas mãos a prerrogativa das decisões importantes, não é raro que provoque uma espécie de embriaguez e, consequentemente, surja a síndrome do “quero, posso e mando”.

Situações destas, que em circunstâncias diferentes desencadeariam uma reacção negativa, dir-se-ia que narcotizam os tais sentimentos de integridade e apresentam estas acções incorrectas – muitas vezes ilícitas – como actos naturais. E se o não são, existe um argumento ad hoc muito corrente: “se assim fazem todos, onde está o mal?”.

Todos – não todos, mas uma grande percentagem - procedem desse modo, precisamente porque se lhes adormeceu a faculdade de reagir, a capacidade de escandalizar-se. Ora, é a perda desta capacidade a razão primeira da falta de pudor, do descaramento como a corrupção se propaga; e na mais perfeita indiferença do cidadão comum! Aliás, é dos cidadãos comuns que provêm as fileiras do exército de corruptores.

Geralmente, não é nos titulares dos cargos mais altos onde nasce a corrupção. Esta aninha-se e medra no entourage dessas personagens. A única falta que lhes podemos atribuir, o que já é muito grave, é que fecham os olhos: nada vêem, nada sabem, nada ouvem. Mas assim vai o Mundo!

Todas estas considerações são derivadas das notícias do lamaçal que os inquéritos da magistratura italiana, sobre Vitorio Emanuel de Sabóia, patentearam à opinião pública. A lista das pessoas, cujos comportamentos são de baixíssimo nível (ético e penal) , é complexa: desde secretários de ex-ministros a dirigentes ou funcionários RAI, há de tudo.

Certamente que não creio na unicidade italiana destes casos. Abramos, nós também, os nossos “vasos de pandora”: sem remoras nem subserviências; não restariam motivos para nos rirmos dos outros!
Alda M. Maia

2 Comments:

At 6:31 da tarde, Blogger Danielik said...

Ao olhar para o título nem vale a pena desenvolver muito a minha opinião acerca do mesmo. É pura das verdades que a corrupção é inerente ao poder.
Além disso, existe uma interligação entre duas variáveis: o PODER existe devido à acentuação das DESIGUALDADES. Estas são condição da manifestação do poder, da mesma forma que este é condição da manutenção delas.
Ah, e obrigada pelo teu comentário no meu blog. Já respondi ao teu comentário (espero que possas dar uma espreitadela à minha resposta).
Um grande abraço. :)

 
At 5:10 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

Haverá sempre desigualdades, neste e em todos os aspectos: de um lado, quem tem o poder e faz dele um mau uso; do outro, quem se resigna ou quem se torna num grande oportunista... e são estes últimos os que mais me enojam!

Dei, sim, uma espreitadela à tua resposta. Grazie, Signorina!
Informo-te que te leio regularmante.
Um abraço de muita simpatia
Alda

 

Enviar um comentário

<< Home