terça-feira, maio 02, 2006

OS DEMAIS E DE MAIS

Achei graça a um post, lido há uns dias atrás, no blogue abnoxio3.blogs.sapo.pt, sobre ortografia.
Referia-se o autor às “modas ortográficas”, tomando como exemplo o título de um artigo de Vasco Pulido Valente: “Agora ou tarde demais

Quer em jornais, revistas ou obras literárias, a locução adverbial de quantidade ou intensidade “de mais”, quase invariavelmente, é grafada “demais”.

A confusão entre o vocábulo “demais” (pronome/determinante; advérbio de modo; locução adverbial de modo) e “de mais” (locução adverbial de quantidade) é generalizada: não somente em quem escreve, como em alguns dicionários e gramáticas.

No excelente dicionário Houaiss, nos vários significados atribuídos à palavra "demais", lê-se: “(2B) em excesso, além da conta, além da justa medida (nunca é demais (?!) avisá-lo dos perigos da situação); (3B) demasiadamente, de maneira muito forte”.
.
Fiquei muito perplexa! E logo no Houaiss, a quem chamo “o Majestoso Houaiss”!...
Estas acepções pressupõem intensidade; ora os bons gramáticos não admitem a palavra "demais" como advérbio de quantidade. Todavia, na “Gramática Da Língua Portuguesa”, de Pilar Vázquez Cuesta e Maria Albertina Mendes da Luz, por exemplo, incluem-na nessa subclasse. A gramática de Celso Cunha e Lindley Cintra, idem. A confusão é mesmo soberana!...

Sempre encontrei resposta às minhas dúvidas no “Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa” de Rebelo Gonçalves e nisto de "demais" e "de mais", este tratado é bem claro na distinção entre as duas expressões.
Também são muito claros os Dicionários de Morais, Porto Editora, Dicionário Prático Ilustrado da Lello, Grande Dicionário Enciclopédico Ediclube, bons escritores, bons autores de Prontuários Ortográficos. Para mim, são estes os mais lógicos. Os demais são simplistas de mais e duvido do rigor como encaram a questão.

Tive duas excelentes professoras de português: a minha Mãe, na escola primária; a Dra. Sílvia Moreira, no ensino secundário. Quando se tropeçava nesta ratoeira, a regra era sempre a mesma: se queres que a expressão signifique demasiado, excessivo, de mais contrapõe-se a de menos; consequentemente, deve escrever-se separado.
Elementar, Senhores Distraídos!
Apetecia-me escrever "Senhores Ignorantes", mas não quero chegar a tanto!...
Alda M. Maia

3 Comments:

At 10:32 da tarde, Blogger dwainfrie23090688 said...

While you read this, YOU start to BECOME aware of your surroundings, CERTIAN things that you were not aware of such as the temperature of the room, and sounds may make YOU realize you WANT a real college degree.

Call this number now, (413) 208-3069

Get an unexplained feeling of joy, Make it last longer by getting your COLLEGE DEGREE. Just as sure as the sun is coming up tomorrow, these College Degree's come complete with transcripts, and are VERIFIABLE.

You know THAT Corporate America takes advantage of loopholes in the system. ITS now YOUR turn to take advantage of this specific opportunity, Take a second, Get a BETTER FEELING of joy and a better future BY CALLING this number 24 hours a day.
(413) 208-3069

 
At 4:54 da tarde, Blogger asn said...

Boa tarde

Li o seu comentário no post que coloquei, por linkagem, no blogdosradioamadores.
Agradeço-lhe muito a sua apreciação às minhas interrogações e dúvidas. Às vezes sovreveem-nos destas crises existenciais e ficamos assim como que desorientados.
Felizmente são passageiras e, logo a seguir, a vida retoma o seu rumo ao desconhecido...normal...
Este seu DEMAIS é de mais, como diriam os nossos irmãos/primos do Brasil. Gostei e fiquei a pensar que a situação que refere tem muitas probabilidades de acontecer, até inadvertidamente (indesculpável, de qualquer modo, para quem publica, mesmo que seja num blogue despretensioso.).

 
At 3:10 da manhã, Blogger C. Kupo said...

Só para esclarecer: em Portugal até podem vocês fazer a distinção entre demais e de mais, mas cá no Brasil só usamos a forma junta, mesmo para ser o oposto de "de menos". Logo, o 'magnífico' Houaiss está correto, porque é um dicionário brasileiro antes de tudo. O que o difere dos demais é, entre outras coisas, o amplo suporte que dá às variantes luso-africanas. Por isso, não o critiques assim tão rispidamente, se não conheces as coisas como são por aqui. Aprende a respeitar as variantes, e larga mão desse preconceito português de querer dizer o certo e o errado em se tratando da 'vossa' língua.

 

Enviar um comentário

<< Home