segunda-feira, maio 23, 2011

A JUSTIÇA ESPECTÁCULO

O caso de Dominique Strauss-Kahn ainda continua a merecer grandes títulos nos jornais. Dada a importância da personagem, todas e quaisquer notícias constituem bom motivo de publicação ou de inclusão nos noticiários.

Segui atentamente o desenrolar dos factos como foram relatados e confesso que ainda não fui capaz de formar uma opinião bem definida, quer sobre a alegada vítima, quer sobre o presumível agressor.

Há um facto que me deixa perplexa, embora aceite que possa haver explicações. Como é possível que uma empregada de limpeza de um hotel entre nos quartos sem primeiro acertar-se da presença ou ausência do hóspede?

Não pretendo encontrar desculpas para Strauss-Kahn, pois não se deve esquecer a fama de mulherengo que o acompanha. No entanto, quem o conhece bem e independentemente de qualquer amizade existente, não o descreve como um brutamontes ou um fauno selvagem pronto a saltar sobre a presa. Custa-lhes aceitar a brutalidade como agrediu a empregada que em má hora entrou no quarto.

Na primeira audiência, o vice-procurador John McConnell desceu à descrição minuciosa de como se tinha desenvolvido o ataque do fauno predador. Transcrevo o que publicou o jornal La Repubblica: “Strauss-Kahn saltou do duche, nu, fechou a porta atrás da empregada, agarrou-lhe os seios, tentou arrancar-lhe a meia-calça, apalpou-a à volta das virilhas e, por duas vezes, forçou-a a um acto sexual oral”.
Seriam necessárias todas esta minúcias para uma acusação de estupro cujo termo é bem significativo? Teatralidade ou masturbação mental?

Quanto ao acto sexual oral, forçado e repetido - se assim foi efectivamente - haveria uma boa defesa-ataque, mesmo com uma dentadura em mau estado. A empregada agredida não se lembrou dessa arma de defesa numa legitimíssima reacção?
Seria a maneira de pôr o agressor fora de combate – quem sabe por quanto tempo! - e, paralelamente, constituir um excelente dissuasor para toda aquela bulimia erótica.

Vejamos agora a “justiça espectáculo”. Na Europa houve uma espécie de choque perante o aparato da prisão do ex-director-geral do FMI.

Se por um lado aprovo e agrada-me a lei americana, a qual é verdadeiramente igual para todos e reserva a todos os imputados o mesmo tratamento (assim o creio), neste caso notei uma exacerbação dessas características.
Tudo se processou dentro de um exibicionismo que penso diminua a seriedade dos trâmites judiciais.

Vi demasiado rigor, excessivos actos amesquinhadores. Eram e são justificados? Nenhuma humilhação lhe foi poupada: pelos crimes de que é arguído ou porque se tratava de um dos potentes da terra e urgia ostentar uma justiça espectáculo?

Mas acima de tudo, e seja qual for a importância social da pessoa detida, pode-se chamar justiça a esse costume primário, medieval de tratar os incriminados, expondo-os ao escárnio da praça pública?

Decididamente, não gostei da espectacularidade de tanta severidade, quando ainda deve ser julgado e provada a gravidade dos crimes por que foi detido.
E o escândalo adquiriu tais dimensões que tornam-se ridículas, ou mesmo estúpidas, as reacções de alguns americanos, quando entrevistados: “Mantenham-no em segurança, que se foge é um perigo”.

Strauss-Kahn está agora em prisão domiciliária com pulseira electrónica, depois de apresentar uma caução de um milhão de dólares, mais cinco como garantia. Devemos convir que Al Capone era muito menos perigoso!

Um condomínio de luxo recusou-lhe um apartamento e teve de procurar um domicílio provisório. Vigiado dia e noite por guardas armados, é obrigado a pagar essa vigilância.

Repito, não pretendo desculpar Strauss-Kahn nem duvidar das razões da senhora agredida. Gostaria apenas que, enquanto não existe uma sentença, a dignidade humana e a presunção de inocência merecessem a mesma importância que merece o valor da defesa na lei americana.




3 Comments:

At 10:51 da manhã, Blogger as-nunes said...

Bom dia, Alda

Depois de ler este seu extraordinário texto, só posso dizer-lhe que vem precisamente de encontro àquilo que eu penso de todo este caso.

Não se pode defender que esteja inocente do que o acusam. Nem de avançar, em jeito de contra-ataque, que está a ser vítima de uma conspiração muito bem urdida e em que o país foi muito bem escolhido.
Mas, como a Alda diz, e muito bem, até ser julgado não pode ser tratado como um criminoso dos mais perigosos que andam à superfície da terra.

Muito sinceramente, tudo isto me cheira a esturro, anda por aqui qualquer coisa de muito interesseiro no ar. A sra. terá sido mesmo obrigada, à força física?

Os Americanos transmitem-nos, quando para efeitos mediáticos, uma ideia da sua justiça, muito dura e implacável.
Será esse um reflexo verdadeiro da realidade da vida na América?

Fica-se na dúvida do que se passou, de facto. A história do ADN na roupa da sra. isso prova o quê? Que estiveram juntos? Que se tocaram?

Tanta Justiça para o Mundo ver!
Tanto dinheiro em jogo!

Um abraço amigo
António

 
At 3:04 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

Boa tarde, António

É sempre uma cnsolação, quando o que escrevemos recebe comentários como o este seu e que acabo de ler.
Muitíssimo obrigada.

Também a mim cheira a esturro, António. Vejo muitas incongruências
em toda esta história.
Certamente que o comportamento "saieiro" do homem oferecia o flanco a estocadas do género, mas não vejo claro em tudo o que noticiam.

Um abraço
Alda

 
At 3:15 da tarde, Blogger Alda M. Maia said...

Corrijo algumas trapalhadas do meu comentário: na palavra consolação faltava o "O";

"Como O este seu" - "como este seu" não é frase que me agrade, mas aceita-se. O "o" a mais é que desafina como unhas a arranhar um vidro.

 

Enviar um comentário

<< Home